Argumento para Lockdown: De cada 10 exames realizados no maior laboratório particular de Natal, 6 já testam positivo para Covid-19

O Conselho Municipal de Saúde de Natal decidiu ontem (27) recomendar à prefeitura do Natal o “lockdown”, devido ao aumento do números de casos confirmados do Coronavírus na cidade, conforme noticiamos AQUI

O principal laboratório de análises clínicas particular de Natal, que antes realizava 10 testes para a Covid-19 e 3 apresentavam positivos, agora, praticamente, duplicou o número de casos confirmados. São 6 exames, em média, testados positivos a cada 10 realizados. O laboratório já chegou a registrar uma procura de mais de mil mensagens diárias para agendamento de exame que, claro, é pago. Os valores variam entre R$ 250,00 e R$ 400,00. Por se falar em laboratório particular, não é toda a população que pode pagar por um exame de testagem para a Covid-19. 

A população mais carente é que está a frente da situação alarmante dos números confirmados. Essa semana, a Secretaria de Saúde Pública do RN (Sesap-RN) registrou 22 mortes e 158 casos confirmados em apenas 24h, sendo o maior registro (em um dia) desde o início da pandemia. Segundo a Secretaria de Saúde de Natal (SMS-Natal), a região que mais apresenta número de óbitos por Covid-19 é a Zona Norte. Um dos motivos, é o acesso precarizado da população à direitos básicos como saúde, alimentação, condições de higiene e ações de assistência social. De acordo com dados do Núcleo de Operações e Inteligência em Saúde (NOIS), da PUC-Rio, a quantidade de pessoas negras que morrem por Covid-19 no Brasil quintuplicou. Além disso, a quantidade de brasileiros negros hospitalizados por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG), causada por coronavírus, aumentou para 5,5 vezes. Já o aumento de mortes de pacientes brancos foi bem menor: nas mesmas duas semanas, o número chegou a pouco mais que o triplo. 

No último dia 22, a SMS-Natal, disponibilizou um formulário online para solicitar, de forma simples, o teste rápido para Covid-19. O exame está sendo “ofertado” através de agendamento prévio para profissionais da saúde e segurança pública em atividade, seus contatos domiciliares, pessoas a partir de 60 anos, cuidadores de idosos que atuam em instituições de longa permanência, pessoas em situação de rua e doentes crônicos a partir do sétimo dia do início dos sintomas e estando, pelo menos, 72h assintomáticos, estão aptos para requisitar a avaliação. Mas só isso resolveria a diminuição dos casos? Haveria testes suficientes para a população? E, se confirmados, os casos mais críticos poderiam ser levados a alguma UTI? 

O Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal (LAIS/UFRN) divulgou essa semana que o RN chegou a 100% de ocupação nos leitos críticos da rede pública estadual para tratamento da Covid-19 no Oeste do estado e na Região Metropolitana de Natal. Aqui na capital, a prefeitura do Natal anunciou hoje (28) a conclusão da montagem dos 20 leitos da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). O que se tem visto nas ruas da cidade é um aumento expressivo da circulação das pessoas. Conforme já noticiamos aqui no BLOG, um dos locais com grande número de pessoas é no comércio do bairro do Alecrim. 

Com os números duplicando em pouco tempo, parece ser prudente a abertura de um “lockdown” para que ocorra um achatamento da curva do Coronavírus. O Conselho Municipal de Saúde de Natal já recomendou à prefeitura e, pelo que se vê, o prefeito de Natal, Álvaro Dias, só quer decidir algo no dia do vencimento do decreto do Estado, em 4 de Junho. Há dois caminhos para o prefeito: ou ele decide pelo isolamento total na cidade, sendo contrário à classe empresarial, porém, protegendo os mais vulneráveis, ou, visto que as eleições municipais se aproximam, poderá pagar um preço muito caro, com vidas, liberando os estabelecimentos à nova normalidade. 

Eugênio Bezerra

Jornalista, editor, blogueiro, redator, apresentador, comunicador, radialista e outras coisas mais...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *