Os dez anos de morte do cantor e compositor Tico da Costa, recebem homenagem do Coral Canto do Povo, da Fundação José Augusto, com duas apresentações na próxima semana, dias 1º e 2 de julho, no Auditório da Escola de Música, intitulada “Salve Tico”, sob a regência do jovem maestro Eli Cavalcante e presença no palco de 50 artistas, entre coristas, instrumentistas e solistas.

A nova fase do Coral Canto do Povo, que tem mais de 30 anos de formação, conta agora com a inserção da música popular brasileira, desde a chegada do jovem maestro Eli Cavalcante, 25. Quando Tico da Costa morreu, em 29 de agosto de 2009, o maestro ainda era bastante jovem. Tempos depois, foi que ocorreu a aproximação com a obra desse compositor potiguar: “Conheci o artista ouvindo o filho dele tocar, Gabriel da Costa, que era meu colega de turma. Perguntei que canção era aquela, e ele disse que era “Chorinho para Deus Bom” e eu me encantei. E foi assim que o bicho me pegou, a partir dali, comprei todos os CD´s dele, fiz um intensivão e passei a pensar num projeto que o homenageasse”, relembra Cavalcante.

O repertório escolhido para os dois dias de apresentação terá o universo das composições de Tico da Costa. Vai desde a música nordestina, já que ele tinha uma conexão muito forte com o frevo, uma vez que estudou em Recife (PE) e da música popular do sul e sudeste. “Teremos desde músicas de um caráter mais sério e introspectivo até músicas infantis e mais carismáticas”, diz o maestro.

Repertório: tentei trazer o máximo de variedade dos universos que Tico se aventurou. Desde a música nordestina, ele tinha uma conexão muito forte com o frevo, ele estudou lá em recife e música popular do sul e sudeste choro samba. O repertório terá a seguintes canções: Carrim Baião; Rodando Ciranda; Não volto não (samba); Mosquitinho (xote); Ana Bandolim (canção de ninar); Chorim pra Deus Bom (choro); Pé de Cajarana (choro); travessa dos Calafates (samba); Só pensar no amor (Bossa); A Tábua (frevo).

Francisco das Chagas Costa – Tico da Costa – nasceu no dia 13 de novembro de 1951, na cidade de Areia Branca e levou o nome do Rio Grande do Norte e do Brasil mundo afora. Fez turnês pela Europa, África e Américas Central, do Norte  e Sul,  tocando  em  festivais de Jazz, Folk e World Music. Morou em Natal, Recife e Roma, onde estudou música. Conviveu com músicos importantes do cenário mundial como  o norte-americano Philip Glass e participou

Nas apresentações de “Salve Tico” o Coral Canto do Povo contará com a presença do pianista Eduardo Taufic e do percussionista Ramon Gabriel, além da especial participação do Coral Infantil da UFRN, e dos solistas Ariadne Mendes, Venicius Viana, César Leonardo, Lúcia Tabita, Jônatas Galdino, Jullian Firmino e Ionara Marques.

DEIXE UMA RESPOSTA